Saltar para o conteúdo

Perfis

Foto de Robert Altman

Robert Altman

Idade
81 anos
Nascimento
20/02/1925
Falecimento
20/11/2006
País de nascimento
Estados Unidos
Local de nascimento
Kansas City, Missouri

Estilo único e humor ácido marcaram a carreira deste brilhante diretor.

Autor de obras-primas como Nashville, M*A*S*H* e Short Cuts – Cenas da Vida, além de grandes filmes como Três Mulheres e O Jogador, Robert Altman firmou seu nome internacionalmente fora dos padrões do cinema comercial e, em especial, Hollywood, tanto que nunca venceu o Oscar de melhor diretor, apesar de ter sido indicado cinco vezes – venceu, no início desse ano, um prêmio honorário em reconhecimento de sua carreira.

Na ocasião, disse que nunca dirigiu um único filme que não tenha desejado fazer – difícil de acreditar, no entanto, se levar em conta suas últimas obras, abertamente comerciais e fora de seu espectro, como A Armação (The Gingerbread Man, 1998), Dr. T e as Mulheres (2000) e De Corpo e Alma (The Company, 2003).

Se não foi reconhecido em sua terra, Altman no entanto foi aclamado na Europa, pois é um dos poucos artistas a vencer os três principais festivais europeus: M*A*S*H* venceu Cannes em 1970, Short Cuts, o Leão de Ouro em Veneza em 1996, e Oeste Selvagem (Buffalo Bill and the Indians) Berlim em 1976.

Satírico, hirônico, cáustico, Altman trabalhava com improvisação, grandes elencos (alguns atores eram recorrentes, como Lili Tomlin), tomadas longas e corajosas (filmou o pênis e um homem urinando de frente em Short Cuts), em filmes sempre repletos de diálogos cortantes, inteligentes e críticos, nos seus melhores momentos.

Seu auge foi na década de 70, quando dirigiu seu maior sucesso de bilheteria e crítica, M*A*S*H*, seu oitavo filme, um libelo pacifista que tirava um sarro louco dos militares americanos, da paranóia comunista e da Guerra Fria. No mesmo pique, filmou o western Quando os Homens São Homens (McCabe and Mrs. Miller, 1971), o noir O Perigoso Adeus (1973), para muitos seu melhor filme, e Nashville (1975) satirizando os “EUA profundo”, o meio-oeste americano conservador, reacionário, religioso, republicano. A fase de ouro terminaria no enigmático Três Mulheres (1977).

Daí em diante começava sua fase decadente, que durou mais de 15 anos, em especial depois do fiasco de Popeye (1980). O cineasta foi trabalhar na televisão e até como ator. Apesar de ter feitos ótimos filmes, como A Nave da Revolta e do sucesso da série televisiva M-A-S-H (que ele odiava), caiu no esquecimento. Dirigiu um espetáculo na Broadway, Come Back to the Five and Dime, Jimmy Dean, Jimmy Dean, depois adaptado para o cinema como James Dean, o Mito Sobrevivente (1982), sem nenhuma repercussão.

A volta por cima ocorreu em 1992, com O Jogador, com Tim Robbins, uma sátira à Hollywood em que Altman abriu imitando o famoso plano-seqüência de sete minutos que Orson Welles fez em A Marca da Maldade. Depois faria um de seus grandes filmes, Short Cuts (1993), baseado em contos e poemas de Raymond Carver. Na seqüência, apesar de Marcello Mastroiani e Sophia Loren no elenco, recebeu críticas negativas por Prêt-a-Porter (1994), em que ridicularizava o mundo da moda (grande atuação de sua habitual colaboradora Anouk Aimée) e Assassinato em Gosford Park (2001), que recebeu várias indicações ao Oscar, incluindo melhor filme, diretor e para as atrizes coadjuvantes Maggie Smith e Helen Mirren (em desempenho notável). Venceu como melhor roteiro.

O último filme foi A Última Noite (A Prairie Home Companion, 2006), em que um octogenário morre (mesma idade de Altman ao morrer) e uma das personagens (Virginia Madsen) diz que quando um homem de 80 anos morre isso não significa nada, o show tem de continuar.

Altman nasceu no Kansas em 1925 e foi um apaixonado por jazz. Foi piloto na Segunda Guerra Mundial e formado em engenharia pela Universidade do Missouri, mas nunca exerceu. Seu primeiro filme, Os Deliqüentes (1957), surgiu depois de trabalhar longamente para a televisão, dirigindo episódios de séries como Bonanza e Alfred Hitchcock Presents. Desde então, foi considerado um dos mais modernos diretores americanos, com seu estilo único de filmar, seu humor ácido e sua imensa caridade com os diferentes da sociedade, especialmente os marginalizados que sofrem de preconceitos da classe média branca americana.

Filmografia

Título Prêmios Ano Notas
Amor Sem Fim
Gerente do hotel
1981
6,1
2003
Altman, Um Cineasta Americano
Ele mesmo (arquivo de imagens)
2014
1947
Título Prêmios Ano Notas
Globo de Ouro (prêmio)
Oscar (indicação)
2001
7,7
7,0
Oscar (indicação) 1993
8,1
1971
7,8
Kansas City
Roteirista
1996
6,4
Prêt-à-Porter
Roteirista
1994
5,9
Três Mulheres
Roteirista
1977
8,2
Quinteto
história
1979
Delinquentes, Os
Roteirista
1957
Imagens
roteiro
1972
7,9
1974
7,7
7,7
Oeste Selvagem
roteiro e história
1976
Cerimônia de Casamento
roteiro e argumento
1978
1978
1987
1980
1948