Saltar para o conteúdo

Era Uma Vez em... Hollywood

(Once Upon a Time in... Hollywood, 2019)
8,0
Média
133 votos
?
Sua nota
Direção
Quentin Tarantino
Roteiro:
Quentin Tarantino
Gênero:
Ação, Drama, Suspense
Origem:
Estados Unidos, Reino Unido
Estreia:
15/08/2019
Duração:
161 minutos

Lupas (16)

  • Não é o melhor Tarantino mas curti. Boa trilha sonora e o fim impactante

    Júnior | Em 18 de Setembro de 2019 | NOTA: 8.5
  • Parece que Tarantino precisou encher linguiça para completar uma metragem estipulada, daí um punhado de cenas dispensáveis e prolixas. Outro detalhe incômodo é o pouco aproveitamento de Robbie, muitas vezes relegadas a aparições que valorizam mais sua estampa que seu talento. O cineasta das mil referências raras não estava em seus melhores dias, e é na reta final que ainda se pode ver algum frenesi.

    Patrick Corrêa | Em 14 de Setembro de 2019 | NOTA: 7.0
  • Muitas pitadas ácidas que todo fã de cinema curte. Menos ação, mas não menos enérgico.

    César Costa | Em 04 de Setembro de 2019 | NOTA: 8.0
  • Diversão do início ao fim, em quase 3 horas que não cansam de forma nenhuma: ótimas interpretações, referências deliciosas, música de primeira, e surpresas no roteiro. Imperdível!

    Clodio Pereira de Almeida | Em 28 de Agosto de 2019 | NOTA: 9.0
  • Há uma série de anticlimax alongados e cenas repetitivas que prejudicam a catarse e a apreciação, mas é mt bom cinema.

    Daniel Mendes | Em 28 de Agosto de 2019 | NOTA: 7.5
  • Uma declaração de amor ao cinema, a Hollywood, à época, que me tocou como poucos filmes na minha história de cinéfilo. Tarantino envelhecendo cada vez mais classudo em seu filme mais belo, íntimo e profundo. Uma dupla de protagonistas fodas que já entrou pra história (Cliff foda), ambientação deliciosa (coisa de mestre), pelo menos 2 cenas antológicas (Tate e Dalton), trilha foda. Pequenos problemas de roteiro ou de barriga ficam irrelevantes. Clássico instantâneo, um dos melhores do Tarantino!

    Josiel Oliveira | Em 27 de Agosto de 2019 | NOTA: 9.5
  • Tarantino é genial para filmar cenas de ação, e apenas ok quando precisa ser mais intimista. Num filme onde as referências externas tornam o conjunto da obra bem mais interessante que o produto em si, temos a entrega de um material apenas bom, ou seja, longe de ser uma obra-prima.

    Alan Nina | Em 22 de Agosto de 2019 | NOTA: 7.5
  • Tarantino acaba se perdendo em alguns momentos que parecem mais encher linguiça em meio há muitas homenagens, mas subverte expectativas do seu próprio cinema ao tratar de um tema tão difícil para a história de Hollywood com muita delicadeza e afeto, refazendo a história a seu modo vingativo mas com um final bonito e triste. E a cena "tarantinesca" é sensacional e será sempre lembrada.

    Bruno Ricardo de Souza Dias | Em 22 de Agosto de 2019 | NOTA: 7.5
  • Só eu me emocionei na cena que Rick Dalton, Sharon Tate e os amigos dela entram juntos na casa pra se divertirem? Essa cena sim é de cortar o coração...

    Seja Lá Quem Tiver Sido | Em 21 de Agosto de 2019 | NOTA: 8.0
  • Não dá para se acostumar com esse cinema, que através dos tempos é moldado pela História para moldá-la em retorno. Olha-se para si e olha para os outros, questiona e é questionado, é abusivo e inocente, de dentro pra fora, de fora pra dentro. Lembrar que provocar é expor pra julgar, estancar feridas pra abrir outras, polir tudo que gostamos esquecendo de tirar toda a sujeira. Não sei se gosto de gostar desse filme.

    Guilherme Algon | Em 21 de Agosto de 2019 | NOTA: 8.0
  • Filme legal , superestimado pelos tarantino maníacos .

    Abelardo Barbosa | Em 20 de Agosto de 2019 | NOTA: 7.0
  • Muito foda ver um Tarantino mais intimo, com menos toques. Mesmo com alguns bons momentos no começo demora para engrenar, mas quando pega no tranco é inspirador ver um filme com tanta energia. O elenco é espetacular e todos tem grandes momentos. A química de Pitt com DiCaprio é inacreditável e mesmo depois de quase 3 horas ainda queremos mais. E o final... Fazia muito tempo que não ria assim no cinema...

    Leonardo Ferreira Sampaio | Em 20 de Agosto de 2019 | NOTA: 8.0
  • A cinefilia de Tarantino, aqui, sai de subtexto (enriquecedor) e vira contexto (adornador) - torna-se, com isso, mais óbvia e expositiva. Nessa direção, acaba sendo o trabalho dramaturgicamente mais despreocupado do cineasta, em que mesmo os protagonistas não são personagens tão ricos assim: pelo visto, o prazer de reviver a época apagou todo o resto e é isso que fica - um prazer nostálgico superficial, raso, longe da densidade (cômica, dramática e referencial) marcante de outras obras dele.

    Augusto Barbosa | Em 19 de Agosto de 2019 | NOTA: 7.0
  • Ao tentar construir todas as forças e questões da década de 60, o filme parece perder o foco e torna-se uma longa digressão (em muitos momentos pouco inspirada) sobre a Hollywood da época hippie. Além da perda das rédeas no campo do narrativo, outro elemento salta aos olhos de forma negativa: o sub-aproveitamento de Margot Robbie e a imbecilização/utilitarização de todas as personagens femininas. Sem dúvida, um trabalho menor de Tarantino.

    Pedro Garcia | Em 18 de Agosto de 2019 | NOTA: 6.5
  • Narrativa diferente dos últimos trabalhos é uma boa forma de sair da mesmice. Mas, no caso de Tarantino, fê-lo removendo suas maiores qualidades - ótimos monólogos, cenas bem trabalhadas, mais longas e com menos cortes -, e lembrando um de seus piores (Jackie Brown). Há diversos personagens - todos eles genéricos. A jornada pela Hollywood dos anos 60 não convence, atendo-se a muitos episódios específicos e não no macro. Resumindo: diverte, é engraçado e escapista, mas um fraco exemplar do direto

    Kennedy | Em 17 de Agosto de 2019 | NOTA: 7.0
  • Bela homenagem à Hollywood dos anos 60 e aos filmes que marcaram época nos 50's. Que elenco fenomenal para entrarmos nessa fantasia. DiCaprio e Pitt fazem uma dupla como há muito tempo não via. Por mais que seja bem fraco na primeira hora, o longa começa a evoluir até a muito, muito satisfatória compensação no final. O mais cômico da carreira de Tarantino e dos que mais valem ser revisitados.

    Eduardo Percequillo Freire de Souza | Em 16 de Agosto de 2019 | NOTA: 8.0