Saltar para o conteúdo

Perfis

Foto de Darren Aronofsky

Darren Aronofsky

Idade
51 anos
Nascimento
12/02/1969
País de nascimento
Estados Unidos
Local de nascimento
Brooklyn, Nova York

Um dos melhores diretores da nova geração.

Natural dos Estados Unidos, Darren Aronofsky sempre foi muito ligado à arte. É, desde sua adolescência, um adorador confesso de filmes clássicos. Cursou cinema na famosa Universidade de Harvard onde já começou a demonstrar grande talento. Seu filme Supermarket Sweep, feito como trabalho de faculdade, recebeu diversos prêmios.  Realizou, também, outras duas produções como estudante de cinema: Fortune Cookie (1991) e Protozoa (1993).

Foi em fevereiro de 1996, que Aronofsky começou a criação de Pi, seu primeiro longa comercial. Após ter concluído o roteiro, em 1998, começou a produzir o filme com o apoio de seus amigos que haviam gostado da história. O longa retrata a vida de um jovem que está prestes a decodificar o padrão numérico do mercado de ações. Por esse motivo, o rapaz é perseguido por uma poderosa firma de Wall Street e por uma seita que deseja vê-lo decifrar os segredos de antigos textos sagrados. O thriller rendeu para o diretor três indicações ao Independent Spirit Awards – venceu melhor roteiro de estreia – e duas indicações ao festival de Sundance, no qual venceu a categoria de melhor diretor-drama.

Após o ótimo Pi, Aronofsky lançou em 2000, outro bom filme, Réquiem para um Sonho.  Foi um grande sucesso de crítica. A história aborda o mundo das drogas de duas maneiras: o vício de um rapaz em injetar entorpecentes e o de uma mãe viciada em comprimidos para emagrecer. Esse trabalho recebeu indicações a diversos prêmios, entre eles, a nomeação de Ellen Burstyn ao Globo de Ouro de melhor atriz em drama e ao Oscar de melhor atriz. O longa recebeu ainda, cinco indicações ao Independent Spirit Awards, e consagrou-se vitorioso nas categorias de melhor fotografia e melhor atriz.

Em 2006, foi a vez de Aronofsky lançar o controverso Fonte da Vida (The Fountain). Alguns acham que o diretor se perdeu na tentativa de construir uma obra-prima; porém, há quem defenda que esse é mais um dos grandes trabalhos do renomado diretor, visão com a qual compactuo – e prefiro esse a todos os seus projetos antecessores. A história traz no elenco Hugh Jackman, Ellen Burstyn e Rachel Weisz. A história é uma fábula sobre amor, morte e espiritualidade. O filme é contado por meio de três histórias: uma que se passa no século XVI, outra nos tempos atuais, e uma terceira no século 26 que serve para unir as duas primeiras.

O filme recebeu uma indicação para Darren Aronofsky no Festival de Veneza. O Globo de Ouro, entretanto, indicou o longa na categoria de melhor trilha sonora, mas, infelizmente, o filme não foi o vencedor. Acredito que o instrumental Death is The Road To Awe, de Clint Mansell, é uma das mais belas trilhas de longas-metragens.

Já despertando interesse de toda a indústria, foi com O Lutador, em 2008, que o cineasta obteve maior reconhecimento de seus colegas e dos críticos ao narrar a história de um lutador profissional aposentado que continua a competir no circuito independente enquanto tenta voltar à elite para um último combate com seu antigo rival. Foi esta produção que possibilitou a Mickey Rourke reerguer sua carreira como ator ao ser indicado ao Oscar. A outra nomeação que o filme recebeu ao prêmio da Academia veio pela atuação de Marisa Tomei. Além disso, O Lutador venceu o Leão de Ouro no Festival de Veneza.

E se Aronofsky já provava toda sua qualidade, parece ter atingido seu melhor momento com Cisne Negro, que conseguiu cinco indicações ao Oscar, incluindo filme e direção – e, assim, Aronofsky merecidamente recebeu seu primeiro reconhecimento de amplo destaque.

A carreira do diretor o credencia, incontestavelmente, como um dos melhores da nova geração. Em seus cinco filmes, seu trabalho é de extrema competência, conseguindo fazer com que suas produções juntem entretenimento e reflexão. Resta esperar por mais filmes de Aronofsky, um dos grandes de sua geração.

* atualizado em 31/01/2011.

Filmografia

Título Prêmios Ano Notas
2000
7,4
8,5
Pi
1998
7,1
7,2
2006
6,5
7,1
2008
7,4
7,9
Globo de Ouro (indicação)
Oscar (indicação)
2010
7,5
8,4
2014
6,8
6,2
1994
2017
6,2
6,9
Título Prêmios Ano Notas
2000
7,4
8,5
Pi
escrito por
1998
7,1
7,2
Fonte da Vida
Roteirista
2006
6,5
7,1
Submersos
escrito por
2002
Noé
roteiro
2014
6,8
6,2
Mãe!
Roteirista
2017
6,2
6,9