Saltar para o conteúdo

Harmonias de Werckmeister, As

(Werckmeister harmóniák, 2000)
8,3
Média
90 votos
?
Sua nota
Direção
,
Roteiro:
László Krasznahorkai (roteiro / romance), Béla Tarr (roteiro)
Gênero:
,
Origem:
, , ,
Duração:
145 minutos

Lupas (23)

  • Ressaltar os méritos estéticos é chover no molhado num filme de Bela Tarr mas em termos filosóficos propõe que o homem, o mundo e a própria existência de uma figura divina religiosa são grandes equívocos, erros imutáveis tal qual o erro de Werckmeister.

    Eliezer Lugarini | Em 09 de Março de 2018 | NOTA: 8.0
  • Uma das maiores filmagens já realizadas no cinema. Béla Tarr tem um estilo único de direção. A imagem da baleia é realmente hipnotizante.

    Daniel Barreto | Em 06 de Março de 2017 | NOTA: 9.0
  • Um ode à barbárie, com poesia para todos os lados. O filme, em si, é uma bela obra de arte. E quando a compreensão não alcança a narrativa, a sensibilidade permite desfrutar mesmo assim, graças à beleza das cenas e a inquietude dos diálogos.

    Edward Jagger DeLarge | Em 20 de Julho de 2016 | NOTA: 10.0
  • Uma das experiências mais gratificantes que já tive como um amante de cinema. Cada plano, cada cena, cada atuação, tudo criado meticulosamente para criar um clima sombrio e hipnótico que fisga o espectador de forma visceral e transgressora. Obra-prima.

    Rafael Justen | Em 02 de Julho de 2016 | NOTA: 10.0
  • A Fita Branca dirigido por Tarkovski.

    Alexandre N. Magno | Em 12 de Maio de 2016 | NOTA: 8.0
  • Tarr é mesmo dotado de um know-how invejável no que concerne à condução de planos-sequências seguindo o bel-prazer de conceber imagens inolvidáveis às lentes apreciativas. Caos e harmonia contrastam nessa imponente obra-prima.

    André Vidazinha | Em 30 de Abril de 2015 | NOTA: 10.0
  • Béla Tarr conduz o filme de uma forma magnífica - e lenta. Não que a lentidão seja um ponto negativo (pelo menos não aqui), mas não tinha necessidade do filme ser tão esticado. 40 minutos poderiam ser cortados sem qualquer problema.

    Pedro Degobbi | Em 07 de Dezembro de 2014 | NOTA: 8.5
  • 24/11/14

    Eduardo Scutari | Em 25 de Novembro de 2014 | NOTA: 7.5
  • Um banho de cinema.

    Nilmar Souza | Em 19 de Agosto de 2014 | NOTA: 9.0
  • Genial. Vendo a este filme, lembrei porque virei um cinéfilo. Uma verdadeira obra-prima, que traz na sua essência o que há de mais incrível no cinema: a magia para tratar de assuntos delicados e complexos do homem, do planeta e do universo.

    Rafael de Santana | Em 19 de Abril de 2014 | NOTA: 10.0
  • Com longos planos de sequência minunciosamente guiados e genialmente orquestrados, Tarr e Hranitzky dão vida a uma obra de arte que, facilmente, monta algumas das cenas mais lindas dos últimos anos. Único e essencial.

    Thiago Cunha | Em 10 de Agosto de 2013 | NOTA: 8.5
  • Béla Tarr nos faz acreditar na potência criativa do Cinema e no seu uso como ferramenta de inquirição, entregando imagens que parecem esculpidas por um artesão meticuloso e que abrem caminho para o deleite filosófico, tão raro como urgente.

    Patrick Corrêa | Em 02 de Junho de 2013 | NOTA: 9.0
  • Filme ambíguo em vários pontos de vista (menos em sua frieza) quando não precisava ser assim, por exemplo, em algumas cenas é uma aula de continuidade artística, mas em outras é falho nesse mesmo elemento. A cena da baleia e do idoso é emocionante.

    Douglas Rodrigues de Oliveira | Em 01 de Julho de 2012 | NOTA: 8.0
  • A figura da baleia funciona como uma alegoria da aceitação do "novo" por uma sociedade rústica e conservadora. A premissa é interessante, porém muito manjada e superficial. Vale pelos looongos planos-sequência e a bela fotografia preto-e-branco.

    Lucas Delon | Em 14 de Junho de 2012 | NOTA: 5.0
  • Certamente um dos filmes mais sacais já realizados, para delírio dos intelectualóides amantes da complexa "arte cabeça"! Com longas tomadas para "queimar celulóide", o filme é cheio de metáforas do tipo "cada um tira a sua própria conclusão da obra"...

    Gilberto C. Mesquita | Em 23 de Fevereiro de 2012 | NOTA: 0.0
  • Após ver o filme procurei descobrir todo o simbolismo dos personagens... tinha certeza que tinha um significado, não achei nada. "Pura filosofia" disseram, mas para mim faltou aquele estalo. A mim se fez valer pela beleza dos takes, embora cansativos.

    Cássio Fassbender Bartz | Em 18 de Fevereiro de 2012 | NOTA: 5.0
  • Impressiona como os filme de Bela Tarr tem ritmo,mesmo com sequências longas e cenas sem cortes.Suas tramas são nunca são fracas e a desolação das cidades (e seus moradores) pode ser tocada.

    Adriano Augusto dos Santos | Em 18 de Fevereiro de 2012 | NOTA: 8.5
  • um dos melhores filmes de sempre

    Alex Josi Renoir | Em 02 de Janeiro de 2012 | NOTA: 10.0
  • a cena inicial me fez chorar e rir de emoção, mas o resto do filme...

    Augusto Cesar | Em 25 de Setembro de 2011 | NOTA: 6.5