Saltar para o conteúdo

Relatório, O

(The Report, 2019)
6,3
Média
3 votos
?
Sua nota

Críticas

Cineplayers

Em nome da América

6,0

Scott Z. Burns, assim como Tom McCarthy há 4 anos, prova com seu O Relatório ser fã das narrativas jornalístico-investigativos que a Nova Hollywood legou ao cinema nos anos 70 e que construíram uma base não apenas reconhecível para esse subgênero, como também um molde do qual nenhum cineasta parece minimamente querer se livrar ao acessar seus códigos. Mas se Spotlight - Segredos Revelados foi acusado de burocracia mesmo após a vitória no Oscar (ou principalmente após ela), e apesar de ter um sutil trabalho de sofisticação imagética, essa investigação acerca das práticas de tortura atribuídas ao governo americano durante o governo Bush não deve ter destino diferente  e aqui eu creio que a reclamação será pertinente.

Com pouca inspiração, a direção de Burns fica a dever ao seu trabalho como roteirista. Passeando por duas frentes distintas, a narrativa acompanha o investigador do Senado Dan Jones em busca de provas contra a CIA, alegando que seus agentes sabiam da ineficácia dos métodos de tortura para conseguir informações, e mesmo assim continuavam aplicando-os indiscriminadamente. Ao conseguir acessar arquivos da agência de inteligência e tomar contato com os relatos de anos atrás, o filme passa a acompanhar também esses flashbacks dos eventos. Com um tom sépia nas imagens que se pretende sério e "importante", essas passagens não acrescentam muita coisa a não ser inserir personagens ultraestereotipados, sensacionalizar em cima dos fatos e pretender uma captação imagética "bonita"; em vão.

Já o período atual da narrativa não cria grandes possibilidades estéticas além de associações de ideias óbvias. Movimentos de câmera pouco inspirados, um tom solene que escapa à compreensão do material como um todo e uma primeira parte que parece mais preocupada em repetir o grafismo acerca da passagem dos anos, o que não causa boa impressão. A partir da segunda metade, o interesse avança não apenas no que concerne à narrativa, mas o trabalho como um todo evolui. Já o seu roteiro alcança uma regularidade mais notada, particularmente na construção do personagem central, um tipo fascinante que o roteiro desenha com muita competência. Em um desses casos, no qual tantos diálogos são ditos por tantos atores diferentes, é um feito construir personalidades distintas em indivíduos tão diferenciados.

O trabalho do elenco em conjunto, nesse caso, só amplifica o trabalho do roteiro, mas alguns nomes incríveis chamam a atenção, como os de Ted Levine, Jon Hamm e Annette Bening, um trio marcante em suas falas e presenças num grupo já superlativo. Mas ninguém no elenco sequer se assemelha ao trabalho de Adam Driver, que vem construindo uma carreira coberta de acertos e na qual ele vem tendo destaque absoluto. Aqui sua assertividade e convicção nos faz convencer de tudo que ele diz, e uma cena decisiva para Dan Jones, em discussão com a senadora sobre vídeos sobre construção de bombas caseiras, é uma oportunidade para Driver se mostrar mais uma vez como apto para qualquer papel no cinema hoje.

O Relatório acaba sendo um produto cada vez mais ágil conforme avança na duração, um suspense quase repleto de ação. Essa escolha pela vibração autêntica acaba tirando sutileza de sua dramaticidade e focando em dinamizar uma trama que necessitaria mais de detalhamento pessoal para gerar a empatia que outros longas do gênero conseguiram. Além disso, a frieza do filme o coloca à parte de uma pretensa intenção de envolvimento do espectador, que se perde.

Filme visto na 43ª Mostra de São Paulo, em outubro de 2019

Comentários (0)

Faça login para comentar.